Desafio: "A Bíblia em um ano"

Vigésimo sexto dia: A construção do Santuário

Continuando com a construção do Santuário, o Senhor faz com que o povo relembre das leis que outrora foram entregues, como que um certo ato de renovação após o episódio do bezerro de ouro. E ainda nos chamam a atenção sobre a importância da oferta ao templo do Senhor, seja pelo material e econômico, seja com os nossos próprios talentos. Faça a leitura de preferência em sua Bíblia dos capítulos 35, 36 e 37 do livro do Êxodo (Ex).

Êxodo

Descanso do sábado

35.   1.Moisés convocou toda a assem-bleia de Israel e disse-lhes: “Eis o que o Senhor ordenou: 2.Trabalharás durante seis dias, mas o sétimo será um dia de descanso completo consagrado ao Senhor. Todo o que trabalhar nesse dia será morto. 3.Não acendereis fogo em nenhuma de vossas casas nesse dia”.

VIII – CONSTRUÇÃO DO SANTUÁRIO (35, 4 – 40, 38)

As ofertas do tabernáculo

4.Moisés disse a toda a assembleia dos israelitas: “Eis o que o Senhor ordenou: 5.Separai de entre vós uma oferta para o Senhor. Todo homem de coração reto trará esta oferta ao Senhor: ouro, prata, bronze, 6.púrpura violeta e escarlate, carmesim, linho fino, pele de cabra, 7.peles de carneiro tingidas de vermelho, peles de golfinho, madeira de acácia, 8.óleo para o candelabro, aromas para o óleo da unção e para o incenso odorífero, 9.pedras de ônix e pedras de engaste para o efod e o peitoral. 10.Venham todos aqueles dentre vós que são hábeis, e executem tudo o que o Senhor ordenou: 11.o tabernáculo, sua tenda, sua coberta, suas argolas, suas tábuas, suas travessas, suas colunas e seus pedestais; 12.a arca e seus varais; a tampa e o véu de separação; 13.a mesa com seus varais, todos os seus utensílios e os pães da proposição; 14.o candelabro e seus acessórios, suas lâmpadas e o óleo para a iluminação, 15.o altar dos perfumes e seus varais; o óleo para a unção e o perfume para as incensações; o véu para a porta de entrada do tabernáculo; 16.o altar dos holocaustos, sua grelha de bronze, seus varais e todos os seus acessórios; a bacia com seu pedestal; 17.as cortinas do átrio, suas colunas, seus pedestais e a cortina da porta do átrio; 18.as estacas do tabernáculo, as estacas do átrio com suas cordas; 19.as vestes litúrgicas para o serviço do santuário, os ornamentos sagrados do sumo sacerdote Aarão, e as vestes de seus filhos para as funções sacerdotais”. 20.Toda a assembleia dos israelitas retirou-se de diante de Moisés. 21.E então todas as pessoas de boa vontade e de coração generoso vieram trazer as suas ofertas ao Senhor, para a construção da tenda de reunião, para o seu culto e para a confecção dos ornamentos sagrados. 22.Homens e mulheres, todos aqueles que tinham o coração generoso trouxeram brincos, fivelas, anéis, colares, joias de ouro de toda a espécie, cada um apresentando a oferta de ouro que dedicava ao Senhor. 23.Todos os que tinham em sua casa púrpura violeta e escarlate, carmesim, linho fino, pele de cabra, peles de carneiro tingidas de vermelho e peles de golfinho, os trouxe­ram. 24.Todos os que puderam apresentar u­ma contribuição em prata ou em bronze, trouxeram-na ao Senhor. Todos os que tinham em sua casa madeira de acácia útil a serviço do culto, a trouxeram. 25.Todas as mulheres habilidosas fiaram com as suas próprias mãos e trouxeram seu trabalho: púrpura violeta e escarlate, carmesim e linho fino. 26.Todas as mulheres habilidosas que tinham o gosto de fiar os pelos de cabra, fizeram-no. 27.Os chefes do povo trouxe­ram pedras de ônix e outras pedras de engaste para o efod e o peitoral; 28.aromas e óleo para o candelabro, óleo da unção e incenso perfumado. 29.Todos os israelitas, homens ou mulheres, impelidos pelo seu coração a contribuir para alguma das obras que o Senhor tinha ordenado pela boca de Moisés, trouxeram espontaneamente suas ofertas ao Senhor. 30.Moisés disse aos israelitas: “Vede: o Senhor designou Beseleel, filho de Uri, filho de Hur, da tribo de Judá; 31.encheu-o de um espírito divino para dar-lhe sabedoria, inteligência e habilidade para toda a sorte de obras: 32.invenções, trabalho em ouro, em prata e em bronze, 33.gravação de pedras de engaste, trabalho em madeira, exe­cução de toda a espécie de obras. 34.Concedeu-lhe também o dom de ensinar, assim como a Ooliab, filho de Aquisamec, da tribo de Dã. 35.Dotou-os de talento para executar toda a sorte de obras de escultura e de arte, de bordados em estofo de púrpura violeta e escarlate, de carmesim e de linho fino, e para a execução assim como o projeto de toda a espécie de trabalhos”.

Obras do Santuário

36.   1.Beseleel, Ooliab e todos os homens prudentes que o Senhor dotou de inteligência e habilidade, para saberem executar todos os trabalhos necessários a serviço do santuário, conformaram-se inteiramente às instruções recebidas do Senhor. 2.Moisés chamou Beseleel, Ooliab­ e todos os homens prudentes que o Senhor tinha dotado de inteligência, todos os que eram impelidos pelo seu coração a empreender a execução desse traba­lho. 3.Levaram todas as ofertas que os israelitas haviam trazido a Moisés para a execução dos trabalhos necessários a serviço do santuário. E, como o povo continuasse, cada manhã, a trazer espontaneamente ofertas, 4.os homens prudentes que executavam os trabalhos do santuário deixaram a obra que estavam fazendo, e vieram dizer a Moisés: 5.“O povo traz muito mais do que é necessário para a exe­cu­ção do trabalho que o Senhor ordenou”. 6.Então, por ordem de Moisés, fez-se no acampamento esta proclamação: “Que ninguém, nem homem nem mulher, traga mais ofertas para o santuário”. Assim, o povo foi proibido de trazer mais. 7.O material trazido era mais que suficiente para tudo o que tinha que ser feito.

O Santuário 

8.Os mais hábeis entre os operários construíram o tabernáculo: dez cortinas de linho fino retorcido, púrpura violeta e escarlate, e carmesim com querubins artisticamente bordados. 9.O comprimento de cada cortina era de vinte e oito côvados, sua largura de quatro côvados; e ti­nham todas as mesmas dimensões. 10.Juntaram as cortinas cinco por cinco. 11.Laços de púrpura violeta foram colocados na orla da cortina que rematava esses dois grupos. 12.Foram postos cinquenta laços na primeira cortina, e cinquenta na extremidade da última cortina do segundo grupo, situadas bem em face umas das outras. 13.As cortinas foram presas umas às outras, por meio de cinquenta colchetes de ouro, de modo que o tabernáculo formou um todo. 14.Fizeram-se, em seguida, cortinas de peles de cabra, para formar uma tenda sobre o tabernáculo; foram feitas onze dessas cortinas. 15.O comprimento de uma delas era de trinta côvados, e sua largura de quarenta côvados; e tinham todas as mesmas dimensões. 16.Cinco dessas cortinas foram juntadas de um lado, e seis de outro. 17.Cinquenta colchetes foram colocados na orla da última cortina de um desses grupos e cinquenta na orla da última cortina do segundo. 18.Depois fizeram cinquenta colchetes de bronze para unir as peças, de modo que a tenda formasse um todo. 19.Foi feita a cobertura da tenda de peles de carneiros tingidas de vermelho, sobre as quais se colocou uma cobertura de peles de golfinhos. 20.As tábuas do tabernáculo foram feitas de madeira de acácia, colocadas verticalmente. 21.As tábuas tinham dez côvados de comprimento e um côvado e meio de largura. 22.Cada tábua tinha dois encaixes ligados um ao outro. Assim se fez com todas as tábuas do tabernáculo. 23.Fizeram para o lado meridional do tabernáculo, ao sul, vinte tábuas. 24.Puseram sob essas vinte tábuas quarenta suportes de prata, dois sob cada tábua, para seus dois encaixes. 25.Para o segundo lado do tabernáculo, ao norte, fizeram vinte tábuas, 26.com quarenta suportes de prata, à razão de dois por tábua. 27.Para o fundo do tabernáculo, ao ocidente, fizeram seis tábuas. 28.Para os ângulos do tabernáculo, ao fundo, fizeram duas tábuas. 29.Elas eram emparelhadas desde a base, formando juntas um só todo até o alto, na primeira argola. O mesmo se fez com as duas tábuas colocadas nos ângulos. 30.Havia, pois, oito tábuas com seus suportes de prata, em número de dezesseis, dois sob cada tábua. 31.Fizeram em seguida cinco travessas de madeira de acácia para as tábuas de um dos lados do tabernáculo, 32.cinco para as tábuas do segundo lado e cinco para as que estavam do lado posterior do tabernáculo, ao ocidente. 33.A travessa central estendia-se ao longo das tábuas, de uma extremidade à outra. 34.Recobriram de ouro essas tábuas e se lhes puseram argolas de ouro, pelas quais passaram as travessas, recobertas também de ouro. 35.Foi feito o véu de púrpura violeta e escarlate, de carmesim e linho retorcido, onde foram bordados artisticamente alguns querubins. 36.Fizeram para ele quatro colunas de madeira de acácia revestidas de ouro, com pregos de ouro e fundiram para elas quatro pedestais de prata. 37.Para a entrada da tenda foi feito o véu de púrpura violeta e escarlate, de carmesim e linho retorcido, artisticamente bordado. 38.Fizeram, para suspender esse véu, cinco colunas munidas de ganchos; recobriram de ouro seus capitéis e suas vergas; seus cinco pedestais foram feitos de bronze.

A arca e os móveis sagrados

37.   1.Beseleel fez a arca de madeira de acácia; seu comprimento era de dois côvados e meio, sua largura de um côvado e meio, e sua altura de um côvado e meio. 2.Cobriu-a de ouro puro por dentro e fez-lhe por fora, ao redor, uma bordadura de ouro. 3.Fundiu para ela quatro argolas de ouro e pô-las nos seus quatro pés, duas de um lado e duas de outro. 4.Fez varais de madeira de acácia, revestidos de ouro, 5.que passou nas argolas colocadas dos lados da arca, para poder transportá-la. 6.Fez uma tampa de ouro puro, cujo comprimento era de dois côvados e meio, e a largura de um côvado e meio. 7.Fez dois querubins de ouro, feitos de ouro batido, nas duas extremidades da tampa, 8.um de um lado, outro de outro, de maneira que faziam corpo com as duas extremidades da tampa. 9.Esses querubins, com as faces voltadas um para o outro, tinham as asas estendidas para o alto, e protegiam com elas a tampa para a qual tinham as faces inclinadas. 10.Fez a mesa de madeira de acácia; seu comprimento era de dois côvados, sua largura de um côvado e sua altura de um côvado e meio. 11.Recobriu-a de ouro puro e fez ao seu redor uma bordadura de ouro. 12.Cercou-a de uma orla de um palmo de largura, com uma bordadura de ouro corrente em toda a volta. 13.Fundiu para a mesa quatro argolas de ouro, que fixou aos quatro ângulos de seus pés. 14.Essas argolas, colocadas à altura da orla, eram destinadas a receber os varais que serviriam para transportar a mesa. 15.Fez varais de madeira de acácia revestidos de ouro, para servir ao transporte da mesa. 16.Fez de ouro puro os utensílios que deviam ser colocados sobre a mesa: os vasos, as xícaras, os copos e as taças necessários às libações. 17.Fez o candelabro de ouro puro, de ouro batido, com seu pé e sua haste: seus cálices, seus botões e suas flores formavam um todo com ele. 18.Seis braços saíam de seus lados, três de um lado e três de outro. 19.Em um braço havia três cálices em forma de flor de amendoeira, com um botão e uma flor; na segunda haste havia três cálices, em forma de flor de amendoeira, com um botão e uma flor, e assim por diante para os seis braços que saíam do candelabro. 20.No próprio candelabro havia quatro cálices em forma de flor de amendoeira, com seus botões e suas flores: 21.um botão sob os dois primeiros braços que saíam do candelabro, um botão sob os dois braços seguintes, e um botão sob os dois últimos; e assim era com os seis braços que saíam do candelabro. 22.Esses botões e esses braços faziam corpo com o candelabro, formando ao todo uma só peça de ouro puro batido. 23.Fez sete lâmpadas de ouro puro; e fez de ouro puro as suas espevitadeiras e os seus cinzeiros. 24.Empregou um talento de ouro puro na confecção do candelabro e seus acessórios. 25.Fez o altar dos perfumes de madeira de acácia. Seu comprimento foi de um côvado, e sua largura de um côvado; era quadrado e tinha dois côvados de altura; seus chifres faziam corpo com ele. 26.Cobriu de ouro puro a sua parte superior, os seus lados ao redor e os seus chifres; e pôs uma bordadura de ouro ao redor. 27.Fez para ele duas argolas de ouro, que foram colocadas abaixo da bordadura, dos dois lados, e serviriam para receber os dois varais destinados ao seu transporte. 28.Fez varais de madeira de acácia, revestidos de ouro, 29.e fez também o óleo para a unção santa e o perfume aromático, composto segundo a arte do perfumista.

Seus dados foram enviados com sucesso!

É uma grande alegria em tê-lo(a) conosco nesta obra de evangelização.

Seja muito bem vindo(a) à Comunidade de São Pio X.

Duvidas, fale conosco pelo e-mail voluntarios@piox.org.br ou no tel.: (83) 3341-7017

Olá, irmã(o). Em que posso lhe ajudar?